Wlademir Dias Pino: Poemas Matemáticos

créditos da exposição

Alberto Saraiva

Nascido no Rio de Janeiro, em 1927, Wlademir Dias-Pino é um dos poetas mais singulares do Brasil. Sua produção contribuiu para a construção de novas perspectivas e para a quebra de paradigmas na produção poética brasileira. É um dos seis poetas que inventaram a Poesia Concreta, em 1956, sendo também um dos fundadores do Poema Processo em 1967. Foi o primeiro autor a elaborar o conceito de "livro-poema", com a exploração das características físicas do livro como parte integrante do poema. A partir do poema “A AVE”, lançado em 1956, o elemento visual ganha força em sua obra como principal agente estrutural do poema, que passa a incluir gráficos, perfurações, figuras, etc., além de caracteres escritos e, por vezes, chega a abrir mão da palavra para se tornar puramente plástico, não-verbal. Diferindo da poesia concreta em sua essência, Dias-Pino trabalha com o simbólico e o metafórico, buscando uma espécie de metáfora pura. É um poeta visual de projeção internacional, em permanente atividade. Em 1974, lança “A Marca e o Logotipo Brasileiros”, primeiro volume da enciclopédia visual em progresso. Lecionou Comunicação Visual nas universidades Católica, Rio (1973/78) e Federal de Mato Grosso, Cuiabá (1978/93).

Aqui Wlademir Dias-Pino apresenta 700 poemas em formato de arte pública, projetados na fachada do Oi Futuro. Assim, este nosso poeta, este nosso inventor do Brasil reinventa o poema e a poesia brasileira.


Curadoria: Aberto Saraiva
Coordenação geral: Nelson Ricardo Martins
Produção executiva: Lisiane Mutti
Designer: Lu Martins
Arquitetura: Ricardo Azevedo
Assistência de produção: Monique Anny
Iluminação: Carlos Lafert

 

Patrocínio

Apoio cultural

Realização

Somos a Fase 10 Ação Contemporânea, um escritório de criação / produção. Realizamos trabalhos no campo da cultura com ética e profissionalismo.

CONECTE-SE

SHORTCUT

  • White Facebook Icon
  • White Twitter Icon

© 2020 todos os direitos reservados

  Rio de Janeiro - RJ - Brasil